terça-feira, novembro 21, 2006

Rino

Os rinocerontes adultos não tem predadores a não ser...o homem.
Os filhotes podem ser vítimas de leões, tigres e hienas se houver uma oportunidade favorável para estes. Todas as espécies de rinocerontes se encontram ameaçadas de extinção, devido ao facto de serem muito pouco férteis – cada fêmea só tem uma cria de dois em dois anos – e, portanto, muito vulneráveis à caça, para além de sofrerem pela destruição do seu habitat.
Têm sido caçados extensivamente porque praticamente todas as suas partes são usadas na medicina tradicional asiática. A parte mais valiosa é o corno que tem sido usado como afrodisíaco, para curar febres, para cabos de adagas no Iêmen e em Oman, ou para preparar uma poção que supostamente permite detectar venenos. Todos os rinocerontes são listados pela CITES em algum grau de risco de extinção. Extima-se que existam cerca de 12.000 animais no mundo. A espécie menos ameaçada é o rinoceronte-branco. O rinoceronte-de-java conta com somente 60 animais (estimativa de 2002). As campanhas de protecção aos rinocerontes datam da década de 70, mas o declínio das espécies tem sido dramático..
As espécies africanas têm patas grossas enquanto os seus compadres africanos as têm leves e ágeis, permitindo-lhes atingir até 45 km/h em corrida. A sua espessa pele (cerca de 2,5 cm de espessura) tem pêlos pouco aparentes e é enrugada em pregas, dando a aparência de placas em algumas espécies. A cauda tem cerdas fortes. Existe também pêlos nas bordas de suas orelhas. Os cornos, de origem dérmica, não são "enraizados" no crâneo. São formados por fibras muito apertadas de queratina, uma proteína forte que também presente em cabelos e unhas. Os olhos são pequenos e as orelhas são curtas, proeminentes, móveis tubulares e erectas. A sua visão é fraca, mas sua audição é boa e o olfacto, excelente. Os rinocerontes têm uma longevidade potencial de aproximadamente 50 anos.

Em geral, os rinocerontes africanos são mais agressivos que os asiáticos; enquanto as espécies asiáticas lutam com as presas, os africanos usam os cornos para furar o abdómen dos adversários. Os rinocerontes africanos alimentam-se pastando no solo, enquanto os asiáticos mais frequentemente comem folhas. Todas as espécies são mais activas à noite e de manhã cedo, passando o dia descansando nas zonas mais protegidas das florestas. Os rinocerontes podem dormir de pé ou deitados e gostam muito de se deitar em poças de lama ou no leito arenoso dos rios. São especialistas em abrir trilhas no mato, penetrando nele à força.

Foram descobertos fósseis de rinocerontes do Eoceno superior (com cerca de 33 a 40 milhões de anos) e eram abundantes na América do Norte, Europa e África...

Talvez a sua determinação não seja suficiente para as injustiças que lhe vão sendo feitas...mas deve ser inspiradora para os que continuam a lutar.

2 Comentários:

Blogger Avusa disse...

sempre pertinente…

11:02 da manhã  
Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Ai que lindo o bebezinho!!!

São extremamente doces, os olhares dos RINOS... Claro, o homem não poderia agir diferentemente diante de uma nimal que não possui predadores naturais, além do próprio homem... Adoramos ser únicos e especialmente na área da maldade...

Beijos,
Cris

8:25 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial