quinta-feira, junho 01, 2006

Depoimento de um veternário:

"Sendo um veterinário, fui chamado para examinar um cão da raça wolfhound irlandês chamado Belker. Os proprietários do animal, Ron, sua esposa Lisa, e seu garotinho Shane, eram todos muito ligados a Belker e esperavam por um milagre. Eu examinei Belker e descobri que ele estava morrendo de câncer. Eu falei à família que não haveria milagres no caso de Belker, e me ofereci para proceder a eutanásia para o velho cão em sua casa.

Enquanto fazíamos os arranjos, Ron e Lisa me contaram que estavam pensando se não seria bom deixar que Shane, de quatro anos de idade, observasse o procedimento. Eles achavam que Shane poderia aprender algo da experiência. No dia seguinte, eu senti o familiar aperto na garganta enquanto a família de Belker o rodeava.

Shane parecia tão calmo, acariciando o velho cão pela última vez, que eu imaginei se ele entendia o que estava se passando. Dentro de poucos minutos, Belker foi-se, pacificamente. O garotinho parecia aceitar a transição de Belker sem dificuldade ou confusão.

Nós nos sentamos juntos um pouco após a morte de Belker, pensando alto sobre o triste facto da vida dos animais serem mais curtas que as dos seres humanos. Shane, que tinha estado escutando silenciosamente, saltou, "Eu sei porquê."

Abismados, nós nos voltamos para ele. O que saiu de sua boca me assombrou. Eu nunca ouvira uma explicação mais reconfortante. Ele disse, "As pessoas nascem para que possam aprender a ter uma boa vida - como amar todo mundo todo o tempo e ser bom, certo?" o garoto de quatro anos continuou,"Bem, cães já nascem sabendo como fazer isto, portanto não precisam ficar por tanto tempo."

CHOREI

Walter Antonio Pereira

5 Comentários:

Blogger Jardineira aprendiz disse...

Dito por uma criança? Pode ser. A maioria de nós não este tem afecto desapegado, somos só humanos. Quando era miúda tivemos que aplicar a eutanásia à cadela. Não vi. Chorei que nem uma desalmada e sonhei durante anos que ela não tinha morrido.

5:14 da tarde  
Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Pode ser, mas eu não me conformo com a morte e desde os meus dois anos. Eu no lugar dessa criança, teria dito outras coisas e em meio a muitas lágrimas. Até hoje não consigo me conformar com as perdas de animais e especialmente de meus animais de estimação e que além de serem muitos, são mesmo muito estimados.

Beijinhos para teu final de semana!!!

Cris

5:18 da manhã  
Blogger Mar disse...

É isso aí guerreiro... o fato de muitas vezes não aceitarmos a morte não tem nada haver com amar as pessoas de forma pura. Parece que os animais seguem a risca as palavras do grande mestre: -Amar mais que ser amado. É isso que um animal consegue transmitir. Então.. aprendi mais na vida observando um animal.. do que com lindas frases que recebemos todos os dias em nosso email. Por outro lado.. choramos a perda de animais ou ente queridos porque não fomos com eles oque deveriamos ter sido. Sempre achamos que ficamos em dívida em alguma coisa. Por essas e outras decidi que, quando alguém for desse mundo levará consigo o melhor de mim.. assim, aprendi a ser melhor comigo mesma, e sou feliz. Existe um céu na terra para quem tem olhos de ver, e.. existe um inferno para alma para quem não quer ver o céu que existe em cada ser, em cada planta.. em cada animal. Fique bem guerreiro.. porque sei que vc vê muito além do céu de cada ser, e isso é bom!

12:20 da tarde  
Blogger Jardineira aprendiz disse...

Deves ter razão... e dói por não sabermos aceitar as leis da vida. Obrigada por lembrares!

6:05 da tarde  
Blogger Estrelinha disse...

Hugo, venho agradecer as palavras deixadas no meu blog, que devem ser dirigidas certamente ao meu irmão que faleceu recentemente. Quanto ao post é tocante, por vezes as crianças dão respostas que deixam os adultos abismados e essa teve um significado bem verdadeiro. Um abraço.

9:42 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial