domingo, junho 03, 2007

OTÁrios

Leio hoje com pompa e circunstancia que o estudo de impacto ambiental do aeroporto da OTA já foi lançado.
Continuo a achar, podíamos ser grandes. Portugal podia voltar a ser o Portugal pioneiro dos descobrimentos.
No descobrir que um aeroporto já tem por si só um enorme impacto ambiental. E os sinais que recebemos diariamente são suficientes para começar JÀ a tomar medidas. Continuamos a cagar na biodiversidade, no aquecimento global, na extinção das espécies, na desertificação, enfim..nos muitos que JÁ sofrem na pele os efeitos dos erros civilizacionais que fizemos e continuamos impunemente a fazer.
Entristecesse ver, senhores ministros, senhores da oposição, senhores jornalistas que ninguém pergunte se o ambiente não deveria ser JÀ prioritário!?
Ou vamos simplesmente aumentar a nossa pegada ecológica e contribuir com mais voos e consequentemente maior emissão de gases poluentes e CO2.


Acho que cada vez mais se está sozinho nesta luta.
Mas a força maior, essa está e sempre estará do lado de cá. Ela são as nossas ideias, nossos ideais, nossas posições e convicções. A ti não te corrompem Natureza.

2 Comentários:

Blogger Pirate disse...

Como diria um conhecido ministro:
Termos cuidado com a nossa pégada ecológica, respeitar as gerações futuras, preservar a biodiversidade?
JAMAIS ! (En français, claro)...
Quem teve oportunidade de assistir a mais um debate no Prós e Contras de 04 de junho sobre a OTA e a Perdig(OTA), tomou consciência sobre os grandes grupos de interesses e lobbies que estão por detrás da obsessão do governo pela solução OTA e pela birra do ministro das Obras Públicas Mário Lino...continuam a não existir estudos comparativos recentes efectuados por entidades verdadeiramente independentes que contribuam para uma solução racional e economicamemte sustentada sem margem para dúvidas.
Não interessa se o custo de 6,5 bilhões de euros da OTA poder derrapar para 10,5 milhões de euros, porque aqueles que vão pagar a factura ainda não nasceram...
As obsessões são terríveis, verdadeiros casos patológicos...

12:59 da manhã  
Blogger Jardineira aprendiz disse...

Sabes a história das rãs em água quente? Ambas foram colocadas em panelas com água ao lume. Só que numa a água ainda estava morna e na outra já estava a escaldar. A rã que foi posta na água a escaldar queimou-se mas saltou fora da panela. A outra foi-se deixando estar e acabou por morrer cozida. Agora, qual das rãs somos nós?!

Esta história foi-me contada pelo Carlos Frescata numa aula, há mais de 10 anos. Continuo a achar que nós estamos preguiçosamente a cozer. Perigosamente, aliás.

Mas eu continuo à espera que resolvamos saltar da panela. Esperança é a última a morrer, não é?

5:50 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial