sexta-feira, abril 07, 2006

Os nepaleses chamam-lhe Sagarmatha (Deusa Mãe da Terra) e os tibetanos Chomolungma (Senhora Deusa do Vento). Li que o circo já chegou a ela.
Será mais uma temporada em que o Everest se vai transformar num circo de tres pistas. Mais de 40 expedições irão afrontar a face sul da montanha mais alta do mundo enchendo-a de cordas e garrafas de oxigénio. É uma contaminação crescente e contínua.
São na sua maioria individuos que nunca escalaram antes e nunca mais iraõ escalar depois. São personagens de cinema. Mas de um filme idiota, triste.
Para os sherpas e para as autoridades Nepaleses acaba por ser a única fonte de receitas que dispõem.

Faz-me lembrar as lagoas do nosso Gerês. Em pleno verão são invadidas e tornadas piscinas publicas. Ganham lixo e perdem o silêncio, a beleza.
Procuramos as mais inacessíveis e respeitamo-las.

5 Comentários:

Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Pois...

O problema não é mesmo o fato de lá estarem, mas de lá deixarem os seus resíduos e detritos.

Sendo ou não a única fonte de ganhos do lugar ou região e por essa mesma razão, é que deveriam ter cuidado redobrado e normalmente não éo que ocorre.

Vi algumas cenas estranhas enquanto vivi na Amazônia. Um dia estava de barco por um dos muitos igapós e depois de sair e entrar entre Solimões e Negro, via ao longe, no horizonte, uma ilhota que brilhava na cor prata e fui até lá para ver e fiquei pasma... Era uma ilha de garrafas pets, plásticas... As águas sobem e descem, cercam de 20 metros de altura e vam arrasatando o lixo ao longo do caminho e esse por vezes, forma bolsões. As indústria deveriam criar produtos com embalagens exclusivas para a amazônia e do tipo biodegradável. Plástico lá, onde muitas famílias não possuem nada além de uma casa palafita ou uma casa balsa, é não possuir bom senso, pois todos sabeos que esse material não terá ouro destino, a anão ser a mata. Eu trabalhei á em um documentário sobre meio ambiente e reaproveitamento e reciclagem de lixo, para ser divulgado nas escolas. Foi também lá que, rodando pela floresta lagada, avistei um macaquinho com uma lata de cerveja na mão e ele passou a lata na lâmina da água e a levou à boca para matar a sede... Fiquei pasma diante da cena e de burra, não fotografei... Estava com a máquina e de tão pateta que fiquei, nã atinei fazer nada e não fosse triste, seria hilário. Se eu tivesse fotografado, poderia ao menos ter tentado junto a empresa fabricante, um bom argumento para uma postura mais correta desses produtos, diante do cuidado com a floresta.

Quanto o que eu conto sobre o beijo da onça, é verdade e eu já te conte isso em teu post do teu jaguar!!!

Beijinhos querido!!!
Bom final de semana!!!
ò,ó

1:16 da tarde  
Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Esqueci...

Deixei resposta para ti lá no meu espaço e vá até lá para ler...

Outro beijo!!!
ò,ó

1:19 da tarde  
Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Por favor desconsidere meus muitos erros de digitação!!!
Primeiro sou avoada!!!
Segundo, escrevo e nunca releio e envio!!!
Terceiro, as teclas emperram!!!
Quarto, sou bem ceguinha!!!

E quinto, EU SEI ESCREVER NO MEU IDIOMA!!!

Pode até não parecer, mas sei!!!
Outro beijo!!!
ò,ó

1:22 da tarde  
Blogger Joao Soares disse...

Viva
Só para informar que já coloquei um link do teu blogue no Bioterra!
Um abraço
João Bioterra
http://bioterra.blogspot.com

7:45 da tarde  
Blogger aprendiz de viajante disse...

Adoro os teus alertas, as tuas observações, os teus textos...estou sempre do teu lado!

Um bjo e bom fds

10:48 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial