sexta-feira, março 03, 2006

O roncar do Arenal..


Considerado geológicamente como "novo" (cerca de 3500 anos) eis a actividade vulcânica do Arenal:

Antes de 1968
Baseado em análises geológicas e estudos de elementos radiocarbono foram tiradas conclusões de que o vulcão Arenal entrou em erupção aproximadamente nos anos de 1750 A.D., 1525 A.D., 1080 A.D., 220 B.C., e 900 B.C..

Durante e após 1968
Premonitórias manifestações de actividade vulcânica começaram em 1965 com a libertação massiva de gás no flanco nordeste do Arenal, a seca acentuada na lagoa Cedeño e o aumento da temperatura do rio Tabacón. Na manhã de 29 de Julho de 1968, após 10 horas de intensa actividade sismica, o Arenal apresentou uma erupção explosiva e continua durante 3 dias. Matou 78 pessoas e devastou 12 km quadrados. Uma nova fase de explosões começou a 17 de Junho de 1975 com fluxos de lava e cinzas ao longo do perímetro do vale do Tabacón.
Em Maio de 1998 uma série de grandes explosões obrigou ao evacuamento das localidades cercanas de Fortuna e Tilaran incluindo cerca de 400 turistas. Mantêm até hoje um gradual aumento da actividade.

A área circundante ao Vulcão é considerada zona de alto risco com erupções regulares que oferecem aos turistas uma excelente oportunidade de testemunhar o poder da natureza. É portanto uma atracção extremamente importante para as contas do turismo da Costa Rica. Nos ultimos anos alguns hoteis, restaurantes e turismo virado para a aventura cresceram bem perto do território do Vulcão.
Jorge Barquero, do observatório sismico e vulcãnico da Costa Rica afirma que "a actividade do vulcão é estavel e normal para um vulcão activo, o que não é normal é que o homem tenha efectuado construções em zonas de alto risco. A qualquer momento pode haver uma erupção de grande magnitude, possivelmente com consequências".


A idade, o historial, o tamanho e o "roncar" desta montanha fazem sentir qualquer um bem pequeno...

8 Comentários:

Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

5:47 da tarde  
Blogger Lâmina d'Água, Silêncio & Escriba disse...

O roncar do Arenal...

O ronco da terra é emocionante!!!

Andei um tempo pelas terras geladas do Alaska e escutei por lá o barulho do degelo de um dos grandes icebergs e confesso que me sentei e chorei de tão lindo que é... É um barulho de dentro, do fundo, como se a terra tivesse mesmo muito sentimento e precisasse gritar para demonstrar seu lamento...

Gostei do post!!! Mesmo sem foto!!!
Por falar em fotos, há algumas que acabo de postar que acho que vais gostar!!! Passe lá pra ver...

Um lindo final de semana prá ti!!!

Beijinhos!!!
ò,ó

E.T.: como sou meio ceguinha, por vezes me perco em meio as letrinhas, mas há coisas gritantes que não se pode deixar... Por essa razão precisei apagar...

5:49 da tarde  
Blogger Angela Ursa disse...

Oi, Hugo! Eu acho os vulcões muito bonitos, mas tenho medo das mudanças inesperadas deles. Também acho muito arriscado construir cidades próximas a vulcões. Beijo da Ursa :))

8:10 da tarde  
Blogger Mar disse...

Quando os vulcões morrerem, a Terra morre junto.. é o que penso caro amigo guerreiro. De vez em quando, Gaia.. Terra Viva precisa se desfazer de certos elementos para continuar respirando. O roncar do Arenal..... dá para fazer um poema.. que tal?
Até que enfim.. final de semana.. dá para visitar novamente teu blog.
Abraços e bom fim de semana

11:35 da manhã  
Blogger Era uma vez um Girassol disse...

Tenho um grande respeito pelos vulcões, a sua proximidade deixar-me-ia preocupada...! E por respeito não serei mais explícita!
Mas gostei de saber mais da Costa Rica, pelas palavras de quem lá esteve, observou e agora partilha connosco!
Bjs

9:57 da tarde  
Blogger Desambientado disse...

Hugo.
Viver estar constantemente sujeitos ao alto risco.

Bom fim de semana.

11:38 da tarde  
Blogger Fátima Silva disse...

As pessoas gostam de sentir a adrenalina a soprar-lhes pelos poros. Não sei o que sentem quando estão a escutar o respirar de um vulcão, mas deve ser uma sensação indescritível.
Gostei muito deste post é atemorizante e belo.

12:42 da manhã  
Anonymous Anónimo disse...

Os vulcões lembram-me a consciência do planeta, a conciência da Natureza, onde tudo começou e provavelmente onde tudo acabará. Lembra-me força, poder, beleza e grandiosidade, lembra-me a minha própria consciência e lembra-me a verdadeira liberdade..

5:25 da tarde  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial